• Dra. Ilka B. Lineburger

Dor articular: quando devo me preocupar?

Atualizado: 26 de Mai de 2020

ARTRALGIA é um termo, derivado do grego ’arthro’ – articulação e ‘algos’- dor, usado para descrever os sintomas dolorosos, envolvendo as articulações do corpo, decorrentes, principalmente, de causas não inflamatórias ou degenerativas. A artralgia será sintoma clínico em algum momento de nossas vidas ou de nossos familiares. É uma grande responsável por faltas ao trabalho, baixa atividade laboral e aproximadamente 30% dos adultos refere dor articular.


Culturalmente, buscamos uma justificativa simples para seu surgimento: trauma, esforço físico, processo normal do envelhecimento, entre outros. Esta crença, entretanto, pode retardar um diagnóstico específico para quadros mais complexos, onde a diferenciação para presença de ARTRITE, ou dor articular de origem inflamatória é essencial. Nestes casos, é importante lembrarmos que os sintomas articulares também podem acompanhar outros processos, como infecções, neoplasias, ou se tratar de alguma doença reumatológica autoimune, onde a ARTRITE é a própria doença e não apenas o sintoma.

5 SINAIS DE ALARME PARA ARTRITES:

1) DURAÇÃO: • Sintomas articulares por mais de 6 semanas, contínuos ou recorrentes.

2) RESPOSTA: • Insatisfatória com analgésicos comuns; • Melhora com uso de corticoide.

3) SINTOMAS: • Perda de peso inexplicável (> 10 Kg em curto período de tempo); • Febre ou suor frequentes, surgimento de ‘ínguas’ (aumento de linfonodos); • Alterações em exames laboratoriais (marcadores inflamatórios elevados; anemia, plaquetas elevadas; Fator reumatoide, HLA-B27 ou FAN positivos; entre outros); • Alteração do hábito intestinal (constipação, diarreia, muco ou sangue nas fezes); • Inflamação ocular (uveíte, episclerite, entre outras).

4) DOR: • Sintomas dolorosos pioram em períodos de repouso e melhoram com os movimentos; • Sensação de ‘travamento’ ou ‘rigidez’ nas primeiras horas da manhã; • Inchaço, calor ou vermelhidão nas articulações; • A dor permanece à noite ou acorda o paciente.

5) RISCO: • História familiar de Espondilite Anquilosante, Artrite Reumatoide, Artrite Psoriásica, Lúpus. • Tabagismo; • História de infecção, cirurgia recente ou imunossupressão (HIV, hepatite, neoplasias, uso de drogas ou medicações imunossupressoras); • História pessoal de psoríase ou doença inflamatória intestinal (Crohn, Retocolite).

A avaliação clínica é fundamental para o diagnóstico apropriado e o estabelecimento do tratamento específico para a dor articular inflamatória. Desta maneira, a progressão para formas graves e a evolução para incapacidade funcional, podem ser reduzidas, mantendo a qualidade de vida.


#dorarticular #reumatologia

84 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo